Moraes Moreira abre o projeto “Poesia e Música no Museu”

20, mar 2018


Com curadoria de Júlio Diniz, em parceria com o Museu de Congonhas, o projeto pretende aproximar o público de artistas consagrados da MPB.

A música popular brasileira ganhará mais espaço este ano no Museu de Congonhas. Com uma proposta irreverente e intercalada por um bate-papo musical, o Centro Cultural inaugura o projeto “Poesia e música no Museu”, com curadoria do especialista em MPB e decano da PUC-Rio, Júlio Diniz. Ao longo da primeira temporada do projeto, grandes nomes da música brasileira como Danilo e Alice Caymmi e Toni Garrido se apresentarão no Museu. Os bate-papos musicais acontecerão sempre às quartas-feiras, às 20 horas, com ingressos a R$2,00. A iniciativa conta com patrocínio das empresas CEMIG e CSN, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

O primeiro encontro acontece no dia 21 de março e recebe o baiano Moraes Moreira, ícone de inúmeras composições e de canções de enorme prestígio, como “Preta Pretinha”, “Pombo Correio”, “Eu sou o carnaval”, “Guitarra baiana”, entre outras. Além disso, Moreira foi o primeiro cantor de trio elétrico cantando no Trio de Dodô e Osmar, em Salvador, e lançou diversos sucessos de músicas de Carnaval, no que se convencionou chamar de “frevo trieletrizado”. Fez parte também do grupo “Novos Baianos”, formado por Paulinho Boca de Cantor, Pepeu Gomes, Dadi, Galvão, Jorginho, Baixinho, Bolacha e Baby, na década de 60.

Júlio conta que “a ideia do projeto é simples: cantores, intérpretes e até bandas poderão mostrar o que existe de melhor na música brasileira. E agora temos o privilégio de apresentar esse projeto no belíssimo Museu de Congonhas”. A iniciativa pretende aproximar o público do artista, que, contará sua história e trajetória no meio musical por meio de uma conversa entremeada pela interpretação dos seus maiores sucessos.

No dia 11 de abril quem se apresenta é um “pedaço” do talento da família Caymmi. Danilo Caymmi e sua filha Alice Caymmi irão interpretar composições próprias e de Dorival Caymmi (pai de Danilo). O cantor tem uma trajetória intensa no meio musical e já foi autor de muitas trilhas de novelas da Rede Globo como Riacho Doce, Teresa BatistaCorpo e Alma e Mulheres de Areia.

Já Alice começou sua carreira aos 12 anos de idade. Em 2012, seu primeiro álbum de estúdio deu origem a várias apresentações e projetos. O álbum é em maior parte constituído por composições da própria artista, solo ou em parceria, exceto pelas regravações de Dorival Caymmi e Björk. Em janeiro de 2018, lançou a música “Eu te avisei”, em parceria com o cantor Pablo Vittar.

Outra atração confirmada é o cantor, compositor e ator, Toni Garrido, que se apresenta em 23 de maio. Famoso pelos sucessos à frente da banda Cidade Negra, como “A Estrada”, “Onde você mora?”, “Pensamento”, “Girassol”, entre outros, ele também se dedica ao cinema, sua segunda paixão. Em 1999, atuou no filme de Cacá Diegues, “Orfeu”, além de ter participado da trilha sonora. Outra canção que, claro, merece destaque é “Solteiro no Rio de Janeiro”, da trilha sonora do filme “Como ser Solteiro”, sua primeira aparição solo.

Conheça o projeto

O projeto consiste na realização de encontros que têm como objetivo principal levar ao público a arte e o pensamento de nomes representativos da Música Popular Brasileira. Cada encontro é composto de um debate sob a forma de uma “conversa ampliada” com o público e a apresentação de alguns sucessos do artista convidado, interpretados por ele mesmo, ou, se for o caso, acompanhado por um músico renomado.

O principal objetivo é o de aproximar o público da trajetória de artistas consagrados por meio de conversas e bate-papos entremeados de performances e canções. Este modelo de evento – umtalk-show com histórias, curiosidades e músicas – faz o artista ficar mais próximo da audiência, revelando segredos da sua vida, suas opiniões e valores, a maneira como cria e vê a sua arte, possibilitando o diálogo direto, dinâmico e produtivo com o público.

Ao contar com a mediação de Júlio Diniz, pesquisador, ensaísta e professor universitário, o projeto tem como objetivo ainda ampliar a compreensão da trajetória bem-sucedida dos convidados para além da simples conversa usual, mas trazendo contribuições preciosas para nosso público que poderá contar com preciosas dicas de artistas consagrados que conseguiram vencer nesta carreira cada vez mais difícil.

As trocas técnico-artísticas se darão por meio de dicas preciosas que serão provocadas durante os bate-papos organizados pelo evento. A intenção é a de contribuir para que, a partir destes encontros, o público poderá desmistificar muito da aura que cerca a profissão do artista, oferecendo ainda sugestões preciosas para quem busca se profissionalizar na área ou mesmo para o público que poderá entender melhor o trabalho árduo que acontece por trás de carreiras bem-sucedidas.

Serviço

Poesia e Música no Museu – Bate-papo musical com Moraes Moreira

Dia 21/03, às 20 horas

Local: Museu de Congonhas (Alameda Cidade de Matosinhos de Portugal, 77, Basílica – Congonhas).

Ingressos: R$ 2,00.

Informações: 31 3732-2526.



Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *